Sem categoria

Força Feminina realiza Monitoria em clima de São João

Compartilhar


Durante os dias 12 e 13 de junho a Unidade Força Feminina realizou sua monitoria que tem como objetivo ser um espaço de coleta de dados referentes ao Projeto até o presente momento e identificar quando as coisas não estão andando corretamente, assim como se será necessária reconfiguração no Plano de ação.
O espaço foi de extrema importância para a Unidade que fez o levantamento de quais ações vem sendo eficazes e quais devem ser qualificadas para alcançar as metas estabelecidas no início de 2014. Em relação ao Projeto de Abordagem verifica-se um aumento durante os meses de janeiro a abril que foram graduais assim como duas novas áreas de atuação da Unidade, estando entre estas duas à atuação em Feira de Santana que além do assessoramento ao Espaço Viva Mulher que a Unidade já vinha realizando desde o segundo semestre de 2013 agora assume a abordagem social junta a esta realidade. Os gráficos a seguir demonstram o crescente na Abordagem:
Em relação ao Projeto de Acolhida a Unidade termina o semestre com um total geral de 895 atendimentos e um total de 62 mulheres que passam pela Unidade com assiduidade e vem sendo acompanhadas de forma gradativa. O gráfico abaixo representa os dados em relação ao Projeto de Acolhida:
Ainda em relação ao Projeto de Acolhida vale pontuar que a atividade Cantinho da Beleza teve durante o processo um grande resultado sendo um espaço onde as mulheres falam de suas histórias com liberdade, fortalecem a autoestima, crescem no processo de cooperação umas com as outras e no respeito mútuo.
No que tange a especificação Assessoramento e ao Projeto Fortalecimento do protagonismo a Unidade reconheceu que atividades como as Formações precisam ser melhoradas no sentido de fortalecer este espaço, por outro lado os espaços de Rodas de Conversa que tem como objetivo discutir temas referentes a gênero, prostituição e violações dos direitos das mulheres vem crescendo e sendo reconhecido como espaço de partilha das mulheres e fortalecimento de sua cidadania. Outro grupo importante neste projeto é o Grupo Renascer (composto por cinco mulheres da Unidade) e tem como objetivo ser um espaço de protagonismo, articulação e fortalecimento da cidadania. Este espaço conta com a presença das mulheres que se responsabilizam pelo próprio processo, começam se inserir em outros grupos e se articulam no processo de movimentos e lutas sociais.
Estes e outros elementos foram tratados na Monitoria assim como o tema do fortalecimento das parcerias, projeto de Comunicação e Institucional e a partir deste percebe-se a Unidade como referência no que tange ao trabalho junto à mulher em situação de prostituição na cidade de Salvador. O espaço das Cirandas Parceiras (encontro de formação e articulação de Instituições parcerias) foi apontado como elementos novo neste ano de 2014 e como uma ação eficaz no sentido de agregar instituições parceiras e sensibilizar a sociedade sobre a realidade da mulher.

A Unidade termina o momento de monitoria agradecida pelo caminho feito até e confiante na possibilidade de retomar e reconfigurar caminhos que precisam ser reconfigurados. Em clima de São João a Unidade termina o momento no movimento de uma dança que recomeça a partir daqui!!!

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Força Feminina – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *