direitos humanosempoderamentofeminismosgêneromissão oblata

Filhos da Puta: Reflexões sobre curta metragem

Compartilhar

 

O documentário Filhos da Puta de Kelson Fostes lançado em 2019 problematiza a expressão que dá nome a obra. O curta metragem filmado em Belo Horizonte nos apresenta as histórias de vida de três filhos/as de mulheres que exercem prostituição. Os participantes compartilham suas vivências na perspectiva de estimular a abertura de outras narrativas a cerca do trabalho sexual e das algumas questões envolvidas.

Através da ótica dos/as filhos/as de mulheres que exercem prostituição somos convidados/as a refletir sobre os estigmas vivenciados pelas mulheres que exercem prostituição, suas famílias e sobretudo seus filhos e filhas. É evidenciado durante o relato dos/as participantes o quanto suas vidas são marcadas pelo preconceito (causados pelo machismo e misoginia). Porém as narrativas trazem também a abertura para pensarmos as mulheres que exercem a prostituição: no exercício da maternidade; no exercício do trabalho; e como agentes de transformação das realidades.

Durante os relatos os personagens discutem conceito de Família, trazendo novas possibilidades de viver a família, novas configurações familiares. Famílias monoparentais, não consanguíneos, porém que são unidas pelos laços de afetividade. Aspecto bastante comum nas famílias brasileiras.

 As reflexões e o discurso potente dos participantes oportuniza a nossa sociedade a repensar seu papel enquanto reprodutores/as deste estigma. É de extrema importância que a sociedade brasileira pondere sobre os padrões preestabelecidos, avaliem a sua conduta hipócrita frente à situação das mulheres que exercem prostituição. Sociedade que apresentam as mulheres que exercem a prostituição condutas extremamente críticas, violentas, excludentes e mesmo tempo usam dos seus serviços e demonstram incomodo com a sua independência. Entendemos ser de essencial importância possibilitar às mulheres que exercem prostituição e suas famílias: locus de enunciação, luta por justiça e igualdade de direitos.

Por: Iracema Oliveira


Acesse em: https://youtu.be/FXoo9P8-34k

 

Saiba mais sobre nós:

♥ Instagram

Facebook

 

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Força Feminina – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *