Sem categoria

Professora sofre agressão e ex companheiro já está preso

Compartilhar
Amanda Figueroa, de 34 anos, mora em Petrolina e é professora do curso de Enfermagem da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), mas a lição que ela está dando é sobre a violência contra a mulher. Na última sexta-feira (1º) ela quase foi morta dentro de sua casa na frente da filha de apenas seis anos.
O inferno da vida de Amanda começou em agosto de 2012, quando ela começou a namorar Teóclito de Souza Amorim, de 35 anos. Depois de quase três meses de relacionamento, Teóclito mostrou a Amanda a sua agressividade.
Ele nunca aceitou o fim do relacionamento, por isso, sempre perseguiu a professora, que já havia solicitado uma medida protetiva depois de algumas agressões. Mas o que aconteceu neste final de semana em Petrolina mostra que nem sempre uma medida protetiva é realmente eficaz.
Na última sexta, Amanda, sua filha e o seu ex-companheiro (pai da criança), almoçaram juntos no Bodóbromo. O que ele não sabiam é que o ex-namorado de Amanda, Teóclito, os seguiu do bairro Areia Branca até a casa dela. E logo depois de ver que ela havia ficado sozinha com a filha, ele invadiu a casa de Amanda junto com suas duas filhas.
Teóclito então invadiu o quarto de Amanda, enquanto as suas filhas tentavam se proteger e ajudar a filha dela. Ao sair do banheiro, ela foi covardemente agredida e as marcas dessa violência estão no seu rosto e pescoço.
Com medo de morrer, Amanda fingiu um desmaio, fato que fez Teóclito cessar as agressões. Em seguida ele mesmo levou Amanda para ser socorrida no Hospital Neurocárdio, tentando se desculpar pelo que fez. Quando Teóclito voltou à casa de Amanda para pegar os documentos que ela havia esquecido propositalmente, a Polícia foi acionada, o agressor foi preso em flagrante e encaminhado para o presídio Dr. Edivaldo Gomes, por ser reincidente e desrespeitar a medida protetiva em vigor que o impedia de se aproximar de Amanda.
Nesta segunda-feira (04), a secretária da Mulher de Petrolina, Roseane Farias, visitou a vítima e garantiu que o município fará o possível para atender aos anseios de Amanda. Para Roseane o caso ainda não está encerrado. “Se ele não for punido, ela que vai sofrer as conseqüências. Por isso, as autoridades não podem ser omissas, pois se ele for solto, Amanda sofrerá risco de morte”, afirmou a secretária.
Segundo Amanda, ela não é a primeira a sofrer com as agressões, já que Teóclito já agrediu a ex-mulher e até a própria mãe. Por isso, ela rompeu o silêncio e contou essa história do Blog Vinicius de Santana.
Se você conhece também uma história de violência seja em sua casa, com a sua família, amigos ou vizinhos denuncie através do telefone da Secretaria da Mulher (3867-3516), do Centro de Referência de Atendimento à Mulher – CRAM (3861-4620) ou para a Central de Atendimento à Mulher (180).
Fonte: Blog Vinícius de Santana
http://blogviniciusdesantana.com/sociedade/metade-dos-gastos-de-dilma-vai-para-programas-sociais/

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Força Feminina – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *