Sem categoria

Exploração de Gênero no desenvolvimento do Turismo é tema do terceiro encontro de Cirandas Parceiras

Compartilhar

As Cirandas Parceiras é uma iniciativa do Projeto Força Feminina e tem como objetivo articular e fortalecer Instituições que são parceiras do Projeto e se compromete na Ação qualificada às mulheres em situação de prostituição. Esta iniciativa visa ainda promover espaço de formação, discussão e debates acerca de temas relevantes e complexos da realidade social.
O primeiro encontro teve como tema de debate: Prostituição e Gênero, sendo o Projeto o articulador da discussão.  O segundo encontro contou com a presença do Comitê Popular da Copa e como tema: Os impactos da copa na cidade de Salvador. Este terceiro encontro teve como tema: Exploração de Gênero no desenvolvimento do turismo com a articulação de Jaqueline Leite do CHAME.

O terceiro encontro foi marcado pelo de participações de Instituições neste espaço o que demonstra o processo de fortalecimento da Rede e o desejo em discutir temática complexas do contexto social. 

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Força Feminina – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *