Sem categoria

Estudo para a Rede Oblata 2017

Compartilhar
Visando a preparação dos colaboradores do Projeto Força Feminina para o debate que será desenvolvido no mês de setembro (Encontro da Rede Oblata) em SP, ocorreu em 03 de julho, no turno matutino a Formação sobre o Livro “Interpelação ética das mulheres que exercem prostituição e são vítimas do tráfico com fins de exploração sexual”, da autora Maria Luísa Del Pozo – Livro do acervo das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor).

O livro reflete a teoria sobre prostituição e o vínculo com movimentos migratórios e tráfico de seres humanos com fins de exploração sexual; a Voz das mulheres e suas interpelações; a Interpretações a partir da perspectiva de:

– Direitos humanos;
– Direito das mulheres;
– Ética concreta.

 Além da tentativa de luz a partir da perspectiva da proposta de intervenção das Oblatas.

A facilitadora Virginia Machado (Assistente Social do Projeto Força Feminina) procurou explorar o livro de maneira lúdica com o propósito de facilitar o entendimento dos participantes. Para isto, utilizou-se de técnicas de dinâmicas de grupo, explanação, discussão e do vídeo sobre Tráfico de Pessoas do Programa Cenas do Brasil.



Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Força Feminina – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *