Escrevivência: memórias, escritas e resistências

Compartilhar

A Rede Oblata Brasil realiza o Webinar “Escrevivência: memórias, escritas e resistências”, no dia 30 de novembro, às 19 horas, com transmissão pelo Youtube. Gestado pelo Projeto Força Feminina (Rede Oblata em Salvador), o evento visa refletir a partir das memórias afetivas, vivências e escritas que construíram a identidade e simbolizam a resistência de mulheres que estão na luta por justiça social, além de convidá-las a apresentar estratégias de sobrevivência que as trouxeram até aqui como referências nesta caminhada.

Este encontro faz parte das ações dos 21 dias ativismo pelo fim da violência contra as mulheres. No Brasil, a campanha começa no dia 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, antecipando e estendendo os 16 dias (25 de novembro a 10 de dezembro), trazendo a luta antirracista e reflexões sobre a dupla discriminação sofrida pela mulher negra na sociedade.

A Rede Oblata convida, provoca e pretende fazer memória, fazer história e ecoar a voz das mulheres negras, que são a maioria dentro do perfil das assistidas pelos seus projetos, que estão em contexto de prostituição e vulnerabilidade social.

Principais objetivos:

1. Refletir sobre a importância da escrita das vivências como estratégia de manutenção das memórias da população negra;

2. Rememorar o papel da escrita do cotidiano na construção da memória afetiva da identidade das mulheres negras;

3. Compartilhar a potência ancestral e transformadora das mulheres negras diante dos desafios impostos pelo patriarcado racista;

4. Discutir sobre o papel dos movimentos de mulheres negras no enfrentamento à violência contra as mulheres;

5. Reverberar os impactos da resistência dos movimentos de mulheres negras nas lutas sociais para um projeto humanitário de sociedade.

Dia da Consciência Negra

O Novembro Negro é marcado por um calendário emblemático de lutas e mobilizações pela afirmação do povo negro e em especial das mulheres negras, no combate ao racismo, à intolerância religiosa e garantia dos direitos. Ao longo de todo o mês, um conjunto de organizações da sociedade civil realizam diversas atividades, cujo ponto alto é o 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra.

O dia 20 de novembro foi instituído como o “Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra” em homenagem ao líder negro Zumbi dos Palmares, falecido neste mesmo dia, em 1695. A medida tem como base legal a Lei Federal 12.519/11, em atendimento à demanda histórica do movimento negro no Brasil, que elegeu a figura de Zumbi como um símbolo da luta e resistência dos negros escravizados

Mobilização em tempos de pandemia

Rede Oblata participa de mobilizações favorecendo a visibilidade do público assistido e das pautas sociais que
precisam ser projetadas. No Brasil, especialmente na Bahia, os 16 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra a mulher são 21 dias de campanha, a fim de focar no combate à violência contra as mulheres negras, incluindo enfrentamento ao racismo, Dia Internacional de Combate ao HIV e Dia Internacional dos Direitos Humanos.


Em virtude do contexto da pandemia mundial de Covid-19, realidade que exige esforço conjunto entre movimentos sociais e instituições, as mobilizações ganharam força nas redes sociais. O Webinar “Escrevivência: memórias, escritas e resistências” compõe uma série de eventos que a Rede Oblata realiza dentro de seu projeto de Sensibilização Social, sempre com uma perspectiva de diálogo para a construção de um mundo melhor.

Como surgiu o termo ESCREVIVÊNCIA?

Em entrevista para a REVISTA PUCRS, Conceição Evaristo conta que, em sua dissertação de mestrado, fez um jogo de palavras entre escrever-viver-escrever-se vendo e escrever vendo-se, e foi daí que nasceu o temo Escrevivência.

Imagem: Live com Conceição Evaristo @conceicaoevaristooficial

“O termo tem como imagem fundante as africanas e suas descendentes escravizadas dentro de casa. Uma das funções delas era contar histórias para adormecer os meninos da casa-grande. A palavra das mães pretas e bás era domesticada, na medida em que tinham que usá-la para acalentar essas crianças. Hoje a escrevivência das mulheres negras não precisa mais disso. Nossas histórias e escritas se dão com o objetivo contrário: incomodar e acordar os da casa-grande. Não estamos aqui para ninar mais ninguém nem apaziguar as consciências.”

Trecho da entrevista “Esse lugar também é nosso”

Este será um espaço para reverenciar as memórias, os lugares nos quais vivemos e as pessoas com as quais construímos as nossas lutas diárias. Será espaço para celebrar as nossas referências, as mulheres que oportunizaram estarmos aqui vivas e combativas.

Iracema Oliveira – Educadora Social
Força Feminina | Rede Oblata Salvador

Temáticas Centrais:

● Escrita da Memória;
● Escrita do Cotidiano;
● Ancestralidade e Construção da Identidade Negra;
● Sororidade e Resistência;

Temas Transversais:

● Enfrentamento ao Racismo;
● Enfrentamento ao Sexismo;
● 20 de Novembro e Consciência Negra;
● 21 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra mulher;
● Direitos Humanos das Mulheres.

Conheça as mulheres que dão voz a este encontro:

Daiane Oliveira é jornalista antirracista, mãe, pesquisadora, escrevivente e sobrevivente. Bacharelanda do Interdisciplinar de Artes UFBA). Comunicadora pesquisa a relação de raça, política, gênero, literatura e sexualidade. Integrante Gira – Grupo de Estudos Feministas em Política e Educação (UFBA) e grupo de pesquisa da Fábrica de Ideias. Cofundadora do Ciclo de Conversas, poeta e defensora dos Direitos Humanos.

Creuza Maria Oliveira: Presidenta do Sindicato das Trabalhadoras Domésticas da Bahia, militante do MNU, Fundadora do Sindoméstico-Ba.

Iracema Oliveira: Pedagoga, Feminista, Antirracista, Educadora Social – Força Feminina – Rede Oblata Brasil.
MEDIADORA

Acesse o Webinar:

Sobre a Rede Oblata Brasil – Ação articulada dos projetos de missão das Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor. Estabelece parcerias e amplia sua ação no campo da sensibilização da Igreja e da Sociedade. Pela fé e pela ação social, trabalha para tornar mais justo e menos vulnerável o caminho de mulheres em contextos de prostituição e vulnerabilidade social.

Os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres é uma campanha anual e internacional que começa no dia 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, e vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos. No Brasil, a mobilização abrange o período de 20 de novembro (Dia da Consciência Negra) a 10 de dezembro. Foi iniciada por ativistas no Instituto de Liderança Global das Mulheres, em 1991, e continua a ser coordenada anualmente pelo Centro para Liderança Global das Mulheres. É uma estratégia de mobilização de indivíduos e organizações, em todo o mundo, para engajamento na prevenção e na eliminação da violência contra as mulheres e meninas.

Fonte: Portal Rede Oblata Brasil: https://www.oblatassr.org/escrevivencia/?doing_wp_cron=1637322158.8240270614624023437500

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Força Feminina – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.