Covid 19direitos humanosgêneromissão oblatapandemiasensibilização

Pandemia e Vulnerabilidade

Compartilhar

 

Prostituição, Vulnerabilidade e Coronavírus:

 

Diante da crise mundial causada pela da pandemia do vírus COVID 19, nós, Família Oblata refletimos acerca da situação das mulheres que exercem a prostituição. Sendo essa população vulnerável, ela deve ser prioridade e estar no centro da discussão sobre estratégias para mitigar os efeitos dessa epidemia.

As estratégias de enfrentamento adotadas pelo Estado ao COVID-19 dialogam diretamente com uma classe média que tem acesso a direitos básicos como: saneamento básico,água potável, moradia digna, trabalho formal (com direitos trabalhistas assegurados), rede de saúde de qualidade educação emancipadora. Sendo assim como tratar sobre a importância de lavar as mãos com água e sabão, usar álcool gel, se alimentar adequadamente e manter distanciamento social, para pessoas que não tem acesso aos direitos básicos?

“Ver, sentir compaixão e cuidar.”

As mulheres atendidas pela Rede Oblata vivem em situação de vulnerabilidade, suas pautas são invisibilizadas e seus direitos são negados. Pessoas em situação de rua, pessoas que precisam trabalhar (mesmo sem condição de saúde adequada) para sua manutenção e das suas famílias. Mulheres pauperizadas que precisam continuar a trabalhar, se colocando em risco, podendo ser contaminadas em função da sua sustentabilidade e para manutenção da sua sobrevivência nesta sociedade violenta e excludente.

Neste momento a Rede Oblata tem refletido sobre o seu papel fundamental diante da realidade das mulheres que exercem a prostituição. Entendemos a importância de contribuirmos traçando estratégias de enfrentamento aos efeitos desta terrível pandemia que (infelizmente) poderá atingir diretamente mulheres por nós atendidas.

A hiperinformação sobre os temas do novo coronavírus – e da doença por ele provocado, a covid19 – a prevenção social e a pessoal, as consequências médicas, econômicas e de cunho propriamente social dificultam o entendimento sobre a gravidade real da situação. Por isso, entendemos a importância de criar um dialogo fluido e ainda mais próximo para tratar deste assunto com o nosso público.

Precisamos neste momento de possível agravamento das desigualdades no nosso país (e no mundo) fortalecer as trocas de conhecimento, informações, orientações e acolhimento(mesmo que remoto) às mulheres. Como estratégia de enfrentamento à situação estamos também fazendo pontes com a Rede Socioassistencial, entendendo o quanto a parceria, a solidariedade, a sororidade, a empatia, a misericórdia e a compaixão precisarão andar juntas.

Que neste momento de provação, as histórias de vida e a sabedoria de Padre Serra e Madre Antônia nos inspire; que possamos seguir o seu exemplo de altruísmo e “ver, sentir compaixão e cuidar ”.

A Família Oblata estará através deste canal de comunicação, redes sociais, linha telefônicas – dentre outros meios – dialogando e contribuindo para luta!

Mantemos o clima de esperança e ensejamos que este momento difícil seja superado!

Saiba mais sobre nós:

♥ Instagram

Facebook

 

Conteúdos do blog

As publicações deste blog trazem conteúdos institucionais do Projeto Força Feminina – Unidade da Rede Oblata Brasil, bem como reflexões autorais e também compartilhadas de terceiros sobre o tema prostituição, vulnerabilidade social, direitos humanos, saúde da mulher, gênero e raça, dentre outros assuntos relacionados. E, ainda que o Instituto das Irmãs Oblatas no Brasil não se identifique necessariamente com as opiniões e posicionamentos dos conteúdos de terceiros, valorizamos uma reflexão abrangente a partir de diferentes pontos de vista. A Instituição busca compreender a prostituição a partir de diferentes áreas do conhecimento, trazendo à tona temas como o estigma e a violência contra as mulheres no âmbito prostitucional. Inspiradas pela Espiritualidade Cristã Libertadora, nos sentimos chamadas a habitar lugares e realidades emergentes de prostituição e tráfico de pessoas com fins de exploração sexual, onde se faz necessária a presença Oblata; e isso nos desafia a deslocar-nos em direção às fronteiras geográficas, existenciais e virtuais.   

Compartilhar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *